Patrícia Afzal, estilista formada pela Esmod Internacional France…

Patrícia Afzal, estilista formada pela Esmod Internacional France, começou desde pequena a observar a sua mãe que sempre teve cuidado especial com a aparência e perdia horas a explorar o seu closet.

Foi de tanto observar a sua mãe, que Patrícia aos 9 anos de idade pediu que a ensina-se a costura e começou pelo tricôt, fazendo  coletes para os seus irmãos, e pouco depois passou a costurar as suas próprias roupas.

Depois de trabalhar como estilista para outras marcas, como a linha de jóias contemporâneas Shan Jewelry, sentiu a necessidade de assinar as suas próprias peças e criar uma moda eclética, visualmente forte e com identidade, ou seja, uma moda à sua imagem. Desse desejo nasceu a Paris Jie.
Apesar de já ter surgido alguns convites para apresentar a sua marca em Angola, coisa que não foi possível porque nada foi discutido ou assinado formalmente, Patrícia ainda pensa em apresentar a sua marca no seu país de origem. Pois, ela afirma que a influência de Angola e de África em geral em suas criações é indiscutível.

“A moda africana ocupa um espaço à parte no panorama fashion internacional por ser única, as cores vibrantes, a originalidade das estampas, a fusão de materiais, e a autenticidade. A moda que se faz em África é própria e distingue-se. Essa influência nas minhas criações é constante e vem da minha herança Angolana”.

Patrycia Afzal sublinhou que admira muito os designers angolanos por abraçarem o desafio de fazer moda em um país que não tem uma indústria têxtil.
 
“Admiro muito os designers angolanos, que apesar do país não ter uma indústria têxtil abraçaram o desafio de fazer moda em Angola. Muitos dos tecidos são comprados e não criados por falta de estruturas que permitem identidades, apesar de tudo, há profissionais com uma grande criatividade e muita garra”.
A sua paixão desmedida por chapéus e a dificuldade de encontrar a seu gosto << de abas largas e coloridas >> levou-lhe a criar uma linha de acessórios hà muitos anos, a nova linha de Chapéus e turbantes resort summer 2018/2019 estarà disponível ainda este mês, (Julho).
“Gosto de criar com Alma Cor e História, e isso passa traduzir universos muito distintos de uma estação para a outra, gosto de propor cortes inabituais, misturas inéditas, cortes assimétricos originalidade e cor, muita cor”, disse.
A moda pode ser definida de diferentes formas e para nossa entrevistada ela é o registro mais pessoal que cada designer faz do seu tempo, pois tenta fazer com que a sua interpretação seja intemporal.
 Texto: Victória Pinto ( Angolan Blogger )

administrator

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *